sexta-feira, 3 de abril de 2015

Kiko Loureiro: novo guitarrista do Megadeth. E o Brasil com isso?


Por Roberto Muñoz

Trinta anos depois, a galera roqueira que curte heavy metal desde o seu nascedouro, nos anos 80, pode festejar em altos brados: “A vitória tarda, mas não falha!” Como assim? Só quem foi fã de heavy metal nesta década no Brasil sabe o quanto a mídia local denegriu o gênero musical. Mídia que inventou até um nome para rotular os adeptos do rock pesado: “metaleiro”...

Eu me lembro, eu fui no primeiro “Rock in Rio”, eu via as pessoas nos olhando com cara de deboche, sarcásticos, isto quando não eram agressivos. Eu me lembro das incontáveis vezes que a polícia via um cabeludo na rua e já botava na parede. Hoje, isto pode parecer estranho, já que está tudo massificado, tempo onde basta usar uma guitarra e ter mil tatuagens que a banda é considerada “rock”. Mas na época, anos 80, tinha que ser muito macho pra ser roqueiro.

O primeiro “Rock in Rio” teve a nata do heavy mundial – claro, faltou o Def Leppard, mas o Whitesnake deu conta do recado. Por outro lado, cabe a dúvida: como um festival de Rock tem como atração alguém que participou da passeata contra a guitarra elétrica nos anos 60 como o sr Gilberto Gil? Vergonhoso assistir o sr Herbert Vianna ridicularizar no palco, ou em entrevistas, o heavy metal e os seus fãs. Assombroso assistir na TV os repórteres da Rede Globo visitando a casa de um “metaleiro” para o público ver como era. Ou seja, nos transformaram em ETs de cabelos compridos. A imprensa nativa, com pouquíssimo conhecimento de causa, alertava o público para as loucuras demoníacas de Ozzy Osbourne, do Iron Maiden. A gente assistia aquilo e não acreditava.

Na verdade, o heavy metal foi o grande diferencial dos anos 80 no mundo. Isso era novo! Isso era radical! E no Brasil o pessoal da área estava ligado, e tentava fazer a sua parte, apesar das enormes dificuldades. Existiam várias bandas competentes – Overdose, Azul Limão, Dorsal Atlântica, Taurus, Astaroth, Valhala, Zona Abissal, entre muitos outras. Não, o Sepultura não era o bolo da cereja, afinal, Motorhead e Slayer já tinham elevado ao máximo tal possibilidade no estilo. Mas a juventude brasileira não quis saber da legítima virilidade musical do heavy metal, e preferiu a Blitz e o estilo de vida “Menino do Rio”, filme nativo de 1981. Aí foram enfraquecidas todas as possibilidades do heavy ter espaço no cenário brasileiro. Espaço, vale
lembrar, sempre aberto para o samba, entretanto, quase nunca para o blues, para citar outro tipo de música absurdamente deixada de lado nos trópicos.

A vitória de Kiko Loureiro é a vitória de toda uma geração, roqueira, fiel às bandas preferidas, e que dava o sangue para existir de maneira honrada, mesmo que para isso tivesse que ficar na clandestinidade. Após o cinismo dos anos 90, onde Oasis, U2 e Red Hot Chili Peppers eram consideradas bandas de rock e quando o Metallica mostrou-se um equívoco, nos defrontamos no novo século com a desintegração do rock, fato escancarado com maestria no último “Festival Lollapalooza” ocorrido no final do mês passado no Brasil. Mas a galera heavy nada tem a com este tipo de coisas. Long Live Heavy Metal!

Roberto Muñoz, escritor.
http://robertomunoz.blogspot.com.br

Nenhum comentário: