segunda-feira, 1 de setembro de 2014

Entrevista Mark Hummel


Representante legítimo do West Coast Blues, Influenciado pelo clima quente, Mark Hummel é um dos grandes gaitistas da atualidade. Tocou com Lowell Fulson, Charles Musselwhite, Charles Brown e muitos outros. Fundou o Blues Survivors  e recentemente ganhou um grammy pelo seu projeto Golden State. 


Ugo Medeiros - Como foi seu primeiro contato com a música?

Mark HummelEu acho que Elvis nos filmes? Mais tarde, os Beatles. Entrei no blues através blues-rock no ensino médio: Hendrix, Cream, Big Brother and The Holding Company.  Então eu notei o nome de Willie Dixon em um monte de músicas e comprei um LP do Dixon. Em seguida, Elmore James, Muddy, Sonny Boy, BB King, Sonny Terry & Brownie McGhee, assim por diante. Logo eu parei de comprar e ouvir blues-rock e foquei no blues.

UM O seu som tem muito swing, isso é porque você ouviu artistas como Charles Brown e Louis Jordan?

MHA cena de blues daquela região San Francisco/Oakland foi muito mais influenciado por Charles Brown, Lowell Fulson, Jimmy McCracklin, Louis Jordan, Percy Mayfield, Guitar Slim, Ray Charles - todos mais piano e guitarra com mistura de instrumentos de sopro. A gaita não é figura proeminente no West Coast Blues, especialmente nos guetos onde estão os clubes de blues. Mas todo mundo amou Jr. Parker, Jimmy Reed, Sonny Boy Williamson & Little Walter  por causa de seus sucessos no rádio. A nossa sorte é que no início dos anos 1970, tocamos muito em Louisiana e Texas, e lá a gaita era mais comum, por isso tinha alguns fãs.

UM O blues nasceu em Mississippi meio ao racismo, com aquele triste sentimento. Como o blues tornou-se um estilo tão bom para dançar e celebrar?

MH - Sempre foi uma música para dançar! E sempre será enquanto houver "espeluncas" que toquem o blues, as pessoas dançarão!

UM - O senhor pode explicar as diferenças entre gaita diatônica e cromática?

MH - Dois instrumentos diferentes, a cromática tem todas as notas sobre ele por causa do slide. Em uma diatônica você tem que dobrar notas com a língua para obter a maior parte das notas. Dois sons muito diferentes.

UM - Você está na estrada desde os anos 1970 e tocou com grandes nomes, como Lowell Fulson, Brownie McGhee e Jimmy Rodgers. Você pode falar sobre a experiência?

MH - Eu aprendi lições de vida com todos esses veteranos, quanta história esses músicos tiveram! A minha geração é a última a ter essa experiência. Eu também toquei com Eddie Taylor, Luther Tucker, Charles Brown, Jimmy McCracklin e cada grande gaitista vivo após 1999: James Cotton, Musselwhite (que eu comecei trabalhando com em 1980), Carey Bell, Snooky Pryor, Lazy Lester e Billy Boy Arnold (esses dois últimos considero bons amigos), Sam Myers, etc. Também a maioria dos contemporâneos como Rick Estrin, Rod, Kim, Paul Oscher, Delay, Bill Clarke, Magic Dick, Portnoy, Lee Oscar, todos da minha geração.

UM - Você começou com The Blues Survivors em 1977. Você pode falar como você conheceu os músicos? 

MH - Eu conheci Johnny Sandifer (aka Johnny Waters) em Oakland em 1975, então começamos uma banda com Waters & JJ Jones chamado The Blues Survivors. JJ saiu um par de meses mais tarde, e um amigo de Johnny Sonny assumiu a guitarra (Johnny tocava muito bem, mas era mesmo um cantor de blues muito feeling profundidade). Entre 1977-1981 fomos a única banda de Chicago Blues de Oakland.

UM - No início, Chalie Musselwhite ajudou um pouco com alguns shows, certo? Você pode falar sobre o relacionamento de vocês? Você o considera o gaitista # 1 nos dias de hoje?

MH - Ele é certamente um dos mais populares no blues hoje em dia. Eu conheci Musselwhite em 1978. Meu vizinho Tim Kuihatsu tocou guitarra com Charlie durante esses anos. Posso tê-lo conhecido pelo meu amigo Dave Earl? É muito tempo atrás, mas nos tornamos amigos. Começamos a abrir alguns shows para o Charlie em torno de 1984-1986. Eu fiz um monte de tours sendo a abertura com diferentes artistas como Lowell, Brownie, Eddie Taylor, Jimmy Rogers, etc. Eu tocava apenas em lugares pequenos, ele me deu a oportunidade de me apresentar em casas maiores e de trabalhar com os meus ídolos.

UM - Você pode falar sobre o seu outro projeto, o Golden State? Você toca com Little Charlie Baty, um bluesman lendário ...

MH - E Anson Funderburgh, outra lenda do Texas, mais RW Grigsby & Wes Starr, que já tocam juntos desde o colégio, em Roma, Georgia. É, sem dúvida, uma das melhores bandas de blues que tem por aí!

UM - Você participou do "Remembering Little Walter", um tributo ao mestre da gaita. Você poderia falar como o projeto nasceu?

MH - Eu produzi, mixei e gerencie esse projeto, fomos nomeados para um Grammy e ganhou dois Blues Music Awards em Memphis (para Melhor CD de blues e de blues tradicional). Ajudei Selecionando o material, juntando a banda e arranjando o local para gravar em San Diego. Eu sou um grande fã de Little Walter. Fizemos uma tour de 11 meses antes de gravar o disco. Nós todos queríamos gravar esse disco porque a turnê foi tão divertida. Curtis Salgado era um integrante original na turnê, mas Bruce Igulaur não deixou o Curtis gravar  mais do que uma música, por isso temos James Harman para substituir Curt. Ele ficou muito decepcionado por não estar nesse disco, especialmente quando ganhou o Grammy!

UM - Jazz tem também uma tradição na harmônica, mas acho que no blues permite mais solos. Você concorda?  

MH - No jazz tem menos espaço para solos de gaita quando comparado com o blues. Mas, parando para analisar, gaitistas faziam sucesso no jazz dos anos 1930/40. Little Walter foi o cara que juntou a gaita amplificada ao blues e ao público em geral.

UM - Nós temos muitos iniciantes do blues neste blog. Você pode indicar alguns discos essenciais de blues?

MH - Muddy Waters na Chess Records, Little Walter, Sonny Boy 1 (John Lee Williamson), Sonny Boy Williamson 2 (Rice Miller), BB King na Crown ou RPM, Lowell Fulson, Jimmy Reed, Otis Rush, Lonnie Johnson, Tampa Red, Big Bill Broonzy, Big Maceo, Elmore James, Earl Hooker, John Lee Hooker na Vee Jay, Charles Brown, Johnny Guitar Watson na RPM, Big Walter Horton, Johnny Shines. 

UM - Hoje em dia, o Brasil tem uma nova geração de blues bem interessante. Você concorda?

MH - Já faz um tempo desde que eu estive aí, mas parece ser um país interessado na gaita blues.


Nenhum comentário: