domingo, 15 de março de 2009

Cinco solos de chorar



Roqueiro que se preza gosta de um belo solo de guitarra. Quem nunca ficou com o olho cheio d’água devido a um riff matador ou à uma nota carregada de sentimento? Farei uma pequena seleção com alguns dos meus solos favoritos. Espero que vocês escutem e aprovem!

The hunter (Free) – Composta originalmente pelo grande bluesman Albert King, essa canção é um clássico do blues. Se a versão do mestre já é muito boa, o que esperar de um cover feito pelos ingleses do Free? A interpretação ganha uma roupagem rock e muita força, é capaz de parar o trânsito da Avenida Brasil (Rio de Janeiro)! A gravação, que vem no primeiro disco da banda (Tons of Sobs), é um primor. Logo na abertura uma guitarra cheia de vibratos por parte de Paul Kossof, considerado o mestre nessa técnica. Ela evolui sob a liderança de Paul Rodgers nos vocais, como de costume. Até aí seria apenas mais uma do Free, mas entre os 1:44 e 2:55 minutos o inacreditável torna-se crível. O complicado vira fácil. Ao executar um solo genial, Kossof provou que é um dos maiores guitarristas da história, apesar da morte prematura.

Comfortably numb (Pink Floyd) – Às vezes o óbvio precisa ser dito. Pode ser clichê colocar essa pérola do Pink Floyd, mas a música é fora de série. Se o The Wall é um disco controverso, já que muitos fãs referem-se a ele como “o começo do fim” da banda, o mesmo não pode ser dito em relação à esta canção. A começar pela letra, Waters escreveu uma das mais intensas de sua vida (lembremos que o álbum é quase uma biografia do baixista). A bateria precisa de Nick Mason e o teclado de Richard Wright dão, respectivamente, ritmo e harmonia. Porém, o solo é o auge de um guitarrista alienígena chamado David Gilmour. Durante quase três minutos, basta fechar os olhos. Num primeiro instante escuridão, logo depois coloridos. Muitas cores provindas de uma guitarra que exala feeling. Escutá-la desde jovem é um ótimo exercício para tornar-se um roqueiro de qualidade (risos).

Since I’ve been loving you (Led Zeppelin) – A mídia, preguiçosa por natureza, costuma relacionar Led Zeppelin à Stairway to Heaven. Mas que crime! Ok, a canção é o hino do grupo, mas enche o saco. Escutem Since I’ve been loving you e entrem em contato com um dos melhores solos de Jimmy Page. A Les Paul Gibson de Page grita às alturas atrás do amor perdido. Tragédias à parte, temos sorte dele ter gravado essa dor em forma de notas de guitarra. Esse solo arrepia a espinha.

Free Bird (Lynyd Skynyd) – Quem já foi a algum show de rock escutou, ao final, algum bêbado mala gritar: “Toca Raul!”. Pois é, nos Estados Unidos há um caso semelhante. Canção dedicada ao imortal Duane Allman, Free Bird tornou-se um dos hinos do rock norte-americano, com justiça. Além de ser uma homenagem linda e merecida, traz um solo alucinante com três guitarras em brasas! Um dos solos mais longos da história. Impossível escutar e não fazer um air guitar...

One word (Mahavishnu Orchestra) – Uma das maiores bandas da música mundial. Trazia músicos com passagens pelo grupo de Miles Davis. O Mahavishnu abria espaço para a fusão entre jazz e rock, levando a música a outro patamar. Essa canção beira a perfeição. Tem solo de quase tudo. A bateria de Billy Cobham é de deixar qualquer um boquiaberto. Os duelos entre violino, teclados e guitarra são enlouquecedores. Entretanto, o melhor (é possível?) está reservado para o final. A partir dos 8:27 minutos há uma sobreposição de guitarra e teclado e a aos 9:00 minutos um solo de John McLaughlin (guitarra) capaz de causar um novo Big Bang. Ele transcende com um solo relativamente simples.


Enfim, está dada a dica!

5 comentários:

Edilson disse...

muito oportuna as dicas. eu agradeço, porque quantas músicas e solos ficam perdidas/esquecidas e quase impossível (às vezes), de se recuperar.
edi cavalcante

Edu disse...

Parabéns Ugo, pela sua dedicação e pelo grande trabalho.

Sei há quanto tempo você está se dedicando e conhecendo o mundo do rock e blues.

Gostei das análises. Continue assim.

Abraço do irmão.

hommerprates disse...

Grande Ugo, só faltou um belo solo final de Little Wing do "Pai-de-Todos" pra fechar a lista com chave de ouro... abraços, parabens pelo otimo blog
Ass. Luigi da comunidade da poeira Zine

fabiopires disse...

Ugo inspiradíssimo nesses posts.Abraço.

Ugo Medeiros disse...

Nada que um pé na bunda não faça... hahhahahahahahahahaha
Tem que rir pra não chorar... hahahahahahahahahaha